Sindicatos. Um equilíbrio em tempos de mudança

Uma “nova instabilidade do trabalho” passou a caracterizar as relações de trabalho no século XXI e este facto tem implicações importantes para os sindicatos a nível mundial.

O mundo do trabalho está a mudar a um ritmo muito rápido. O declínio dos empregos na indústria transformadora, o aumento do trabalho atípico e flexível e a persistência e crescimento da economia informal a par das mudanças na regulamentação e nos comportamentos no domínio do emprego e a limitação e violação dos direitos dos sindicatos, levaram a uma diminuição das taxas de sindicalização na maioria dos países por todo o mundo. Uma “nova instabilidade do trabalho” passou a caracterizar as relações de trabalho no século XXI e este facto tem implicações importantes para os sindicatos a nível mundial. Neste contexto, os sindicatos enfrentam dois grandes desafios: a economia digital e a forma como esta transforma os empregos e as relações de emprego, bem como a divisão social entre quem tem empregos estáveis e remunerados e quem tem empregos instáveis, mal remunerados ou precários, ou mesmo quem não tem emprego.