Livro

Economia Centrada no Humano: O padraõ de Vida das Nações

Este livro reflete sobre o desempenho insuficiente das economias em inclusão social, sustentabilidade ambiental e resiliência. Argumenta que a macroeconomia precisa de reforma estrutural frente a desigualdades e disrupções por inteligência artificial e mudanças climáticas.

O livro propõe que o padrão de vida das famílias medianas merece tanta atenção política e cultivo por economistas quanto a riqueza nacional. O progresso na experiência das pessoas depende dos mercados de troca e instituições em trabalho, proteção social, governança financeira e corporativa, infraestrutura e necessidades básicas, proteção ambiental e educação.

Integra dimensões institucionais do contrato social na teoria macroeconômica, equiparando-as aos fatores tradicionais de produção. Dados mostram que países têm espaço para estreitar a "lacuna de bem-estar" social, melhorando padrões de vida e reduzindo a lacuna de produção. Propõe reformas da arquitetura econômica internacional, focando em apoiar sociedades e a biosfera, incluindo triplicar o financiamento para desenvolvimento e clima de 2024 a 2030, um "Consenso Roosevelt" para substituir o Consenso de Washington.