Projeto SCORE – Melhoria da produtividade e das condições de trabalho para Pequenas e Médias Empresas

O Projeto vai fortalecer as pequenas e médias empresas (PMEs) funcionários(as) de cadeias de valor selecionadas, para que alcancem maior produtividade e melhores condições de trabalho, por meio da introdução da metodologia Sustentando Empresas Competitivas e Responsáveis (SCORE, na sigla em inglês) da OIT. O foco inicial do projeto são as PMEs do setor têxtil e de confecções da Região Metropolitana de São Paulo, que concentra o maior polo dessa cadeia no Brasil.

Título completo

Projeto SCORE – Melhoria da produtividade e das condições de trabalho para Pequenas e Médias Empresas

Contexto

As pequenas e médias empresas (PMEs) são importantes geradoras de emprego, responsáveis em média por 2/3 dos postos de trabalho criados em âmbito global, segundo a OIT . Essa tendência se verifica também no Brasil, onde as PMEs com entre 10 e 250 trabalhadores(as) correspondem a 47% das vagas formais existentes, segundo dados da RAIS de 2020 - participação que se amplia quando consideramos os vínculos informais.

Apesar de sua relevância para a criação de postos de trabalho, as PMEs enfrentam desafios estruturais de acesso restrito a mercados, integração limitada a cadeias de produção, além de gargalos de financiamento, uso de tecnologias e gestão, que afetam não apenas sua produtividade e crescimento, como também a qualidade dos empregos que geram.

No caso brasileiro, a lacuna de produtividade entre PMEs e grandes empresas é significativamente maior do que o que se observa em países desenvolvidos, tendência que está linha com os dados da região da América Latina e do Caribe. Segundo dados da OCDE, a produtividade média nas PMEs brasileiras correspondia a apenas 50% daquela observada nas PMEs de países desenvolvidos, em 2019.

Para reverter esse quadro, três fatores podem impactar positivamente a produtividade de PMEs:
  • investimento em capital físico, com a adoção de ferramentas e maquinário que aumentem a capacidade de produção por trabalhador;
  • ajustes nos processos produtivos que os torne mais eficientes; e
  • aumento na qualidade dos recursos humanos, por meio de qualificação profissional, práticas apropriadas de gestão de pessoas e melhoria nas condições de trabalho.
O investimento em capital físico é geralmente custoso e restrito para as PMEs, tendo em vista sua dificuldade de acesso a financiamento. Mas ajustes nos processos produtivos, combinados a iniciativas voltadas para a qualidade dos recursos humanos são alternativas relativamente mais acessíveis, que podem rapidamente ter impacto positivo na produtividade e nas condições de trabalho em negócios de menor porte, com ganhos compartilhados entre trabalhadoras, trabalhadores e empregadores(as) nas PMEs.

Metodologia SCORE

A metodologia SCORE é uma iniciativa global da OIT que reúne experiências de sucesso em mais de 20 países na África, Ásia e América Latina, e tem como objetivo aumentar a produtividade e melhorar as condições de trabalho de PMEs. Por meio de treinamentos práticos e consultorias in-factory, a metodologia estimula a adoção de ferramentas de cooperação no local de trabalho e o trabalho decente.

A metodologia SCORE está organizada em módulos e explora temas como gestão da força de trabalho, produção limpa, controle de qualidade, saúde e segurança no trabalho e promoção da igualdade de gênero, sempre com foco no papel da cooperação entre trabalhadores(as) e empregadores(as) para a obtenção de ganhos compartilhados de produtividade e competitividade.

A introdução da metodologia SCORE no Brasil conta com o apoio do Ministério Público do Trabalho (MPT). Os recursos do projeto são utilizados para apoiar a adaptação da metodologia SCORE para o contexto brasileiro, capacitar treinadores(as), apoiar a realização de treinamentos piloto e desenvolver iniciativas de conscientização de atores do setor sobre os benefícios de práticas empresariais responsáveis.

Setor têxtil

O Projeto SCORE tem como foco, incialmente, o setor têxtil e de confecções da Região Metropolitana de São Paulo. Trata-se de um setor bastante heterogêneo, em que grandes empresas nacionais e internacionais de varejo, indústrias de tecelagem e confecção de grande porte, fábricas de produção de tecidos e de roupas de médio e pequeno porte e micro oficinas de costura se articulam em uma cadeia produtiva extensa e complexa.

O setor têxtil e de confecções é um dos mais importantes empregadores da indústria de transformação brasileira, com mais de 730 mil trabalhadores(as) formais, segundo dados da RAIS de 2020. Desse total, 56,7% estão empregados(as) em PMEs.

A despeito de sua importância para a produção industrial e para a geração de empregos no Brasil, persistem obstáculos para a melhoria das condições de trabalho, da promoção do trabalho decente e da produtividade sustentada na cadeia têxtil.

Duração prevista

48 meses (dezembro de 2020 a novembro de 2024).

Objetivo geral

O projeto tem como objetivo geral apoiar PMEs em cadeias de valor nacionais para que alcancem maior produtividade, melhores condições de trabalho e adoção de práticas de trabalho decente, por meio da introdução no Brasil da metodologia SCORE.

A metodologia está centrada na capacitação de empresas de menor porte para a adoção de técnicas de gestão eficiente e de colaboração no trabalho, alinhadas aos princípios do Trabalho Decente. Como exposto anteriormente, acredita-se que a adoção de práticas modernas e colaborativas de gestão de pessoas, podem gerar efeitos positivos não apenas sobre as condições de trabalho na cadeia, como também sobre sua produtividade e competitividade.

Objetivos específicos

De modo a atingir o objetivo geral, o Projeto SCORE busca:
  • Treinamento de pequenas e médias empresas (30 a 250 funcionários) de setores selecionados, utilizando a metodologia SCORE, com foco inicial na cadeia têxtil e de confecções da Região Metropolitana de São Paulo;
  • Incorporação da metodologia SCORE no portfólio de serviços de parceiros de implementação, centros de treinamento e agências de desenvolvimento de PMEs nacionais; e
  •  Promoção da conscientização de organizações setoriais nacionais e locais sobre práticas responsáveis no ambiente de trabalho.

Grupos-alvo

Os beneficiários(as) finais do projeto são trabalhadores(as) e gerentes de empresas de pequeno e médio porte (30 a 250 funcionários) em setores selecionados. Inicialmente, o projeto tem como público-alvo final as PMEs no setor têxtil e de confecções da Região Metropolitana de São Paulo.

São beneficiárias diretas do projeto as instituições nacionais parceiras de implementação, como organizações setoriais e centros de treinamento selecionados para serem capacitados na replicação da metodologia SCORE.

Estratégia de implementação

O projeto adota uma abordagem gradual, que se inicia com a implementação de treinamentos piloto nas PMEs selecionadas da cadeia têxtil e de confecção da Região Metropolitana de São Paulo. A definição do setor e da região de início do projeto se deve à origem dos recursos, ao potencial do cluster têxtil e de confecções de São Paulo e a infraestrutura de treinamento local para uma primeira utilização da metodologia SCORE.

As atividades serão desenvolvidas até, pelo menos, novembro de 2024 e poderão ser ampliadas para outros setores e regiões do país, a depender da disponibilidade de recursos. A longo prazo, o projeto tem como objetivo a incorporação sustentável da metodologia SCORE por parceiros nacionais.

ODS relacionados ao projeto

Este projeto contribui para atingir os seguintes Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 no Brasil:

  • ODS 5 (Igualdade de gênero);
  • ODS 8 (trabalho decente e crescimento econômico);
  • ODS 9 (Indústria, Inovação e Infraestrutura); e
  • ODS 12 (Consumo e produção responsáveis).

Localidade e/ou países de implementação

Estado de São Paulo, Brasil.

Doador

Ministério Público do Trabalho (MPT).

Parceiros institucionais

Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecções (ABIT).
Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTEX).

Unidade e coordenador(a) responsável

  • Aguinaldo Maciente, Especialista em Políticas de Emprego e Mercado de Trabalho. 
  • Luiz Machado, Oficial Sênior de Programação.