Declaração do diretor-geral da OIT sobre a situação em Israel e no Território Palestino Ocupado

O diretor-geral da OIT divulga uma declaração sobre a situação em Israel e no Território Palestino Ocupado.

Homologação | 27 de Outubro de 2023
O diretor-geral da OIT deplora os ataques sem precedentes do Hamas contra Israel, que resultaram em mais de 1.400 mortes e pelo menos 200 sequestros de civis israelenses e internacionais. Ele também deplora a morte de milhares de civis em Gaza, incluindo funcionários da ONU, em consequência da ação militar israelense em resposta a estes ataques. Ele estende suas mais profundas condolências às famílias de todas as pessoas afetadas.

O diretor-geral expressa o seu apoio ao apelo do secretário-geral da ONU para um cessar-fogo humanitário imediato e a libertação dos reféns.

O diretor-geral da OIT insta todas as partes a garantirem a proteção de todos os trabalhadores em Israel e no Território Palestino Ocupado que foram afetados por esta crise, incluindo os trabalhadores de Gaza que trabalham em Israel, e todos os trabalhadores da saúde e humanitários que prestam assistência vital em terra.

As hostilidades causaram – e continuam a causar – não só a trágica perda de vidas humanas, mas também uma perda sem precedentes de meios de subsistência, empregos, renda, empresas e infraestruturas civis, com um efeito devastador nos mercados de trabalho de Gaza, da Cisjordânia e Israel.

Atualmente, a OIT presta assistência de emergência aos trabalhadores palestinos que enfrentam condições de vida difíceis como resultado desta crise e está a tentar implementar um programa centrado na proteção social, nas competências, no emprego e na recuperação.

Particularmente preocupante é a situação dos estimados 18.000-20.000 trabalhadores diários de Gaza em Israel.

A OIT está disposta a continuar a colaborar com outras agências das Nações Unidas, a comunidade internacional e os seus parceiros para prestar assistência e apoio às comunidades afetadas, no âmbito do seu mandato.