#MeuFuturoDoTrabalho

OIT: Recuperação do turismo é chave para superar a crise do trabalho causada pela COVID-19 na América Latina e Caribe

No pior momento da crise, cerca de 45% dos empregos no setor de turismo foram perdidos. No processo de recuperação, são necessárias políticas para gerar mais e melhores empregos.

Notícias | 30 de Junho de 2021
Lima - A OIT destacou hoje a necessidade de desenhar políticas voltadas para a recuperação do turismo nos países da América Latina e do Caribe, que permitam a promoção de um dos setores econômicos mais dinâmicos e essencial para a geração de divisas, renda e empregos.

O turismo foi duramente atingido pela crise causada pela pandemia, de acordo com uma nova nota técnica regional da OIT. Enquanto o número de pessoas ocupadas total contraiu em média 24,8% no segundo trimestre de 2020, a perda de empregos no setor de hotelaria e restaurantes na América Latina e no Caribe atingiu 44,7%.

“A recuperação do turismo depende diretamente da extensão da vacinação e da adoção de medidas adequadas de segurança e saúde no trabalho. A reativação desse setor pode ter um importante efeito multiplicador sobre a economia e o emprego, que pode ser crucial para superar a crise gerada pela pandemia ”, afirmou o diretor da OIT para a América Latina e Caribe, Vinícius Pinheiro.

O diretor Regional da OIT afirmou que “é fundamental que as políticas de recuperação do setor contribuam para a melhoria da qualidade dos empregos e estimulem a formalização do mercado de trabalho. O apoio às micro e pequenas empresas também é fundamental para que os benefícios do turismo favoreçam o desenvolvimento local. ”

A nota técnica “Rumo uma recuperação sustentável do emprego no setor de turismo na América Latina e no Caribe” (“Hacia una recuperación sostenible del empleo en el sector del turismo en América Latina y el Caribe”), que faz parte da série Panorama Laboral do Escritório Regional da OIT, destaca que antes da pandemia, em 2019, a economia do turismo, incluindo o turismo e todos os setores que dele dependem, respondeu por 26% do PIB total no Caribe e 10% na América Latina.

O estudo também destaca que a redução do emprego não atingiu todos os trabalhadores de forma homogênea: a perda foi maior para as mulheres, os trabalhadores jovens, os trabalhadores migrantes e as pessoas que estavam inseridas na informalidade.

Em 2019, as mulheres estavam sobrerrepresentadas no setor de hotelaria e restaurantes, com 58% dos empregos, enquanto no total de ocupações chegam a 42,5%. Outro grupo sobrerrepresentado no setor são os jovens trabalhadores, com até 24 anos de idade, que representam 20,9% do emprego no setor e 13,5% do emprego total.

Antes da pandemia, o peso do emprego informal era maior no turismo do que em todas as atividades: 63,3% dos trabalhadores em hotéis e restaurantes da região trabalhavam em condições informais, enquanto essa porcentagem era de 51,8% do emprego total.

O turismo é caracterizado por uma maior percentagem de trabalhadores com jornadas curtas em 2019: o subemprego afetou 25,9% do total de trabalhadores e 31,2% dos empregados em hotéis e restaurantes. Além disso, de acordo com o relatório, é um setor com remuneração relativamente baixa: a renda dos trabalhadores do turismo representava em média 75% da renda das pessoas ocupadas como um todo.

A análise da OIT destaca a necessidade de desenhar políticas que promovam a recuperação com emprego produtivo, a criação de trabalho decente e empresas sustentáveis no setor de turismo especialmente para enfrentar os desafios associados à elevada presença da informalidade, do subemprego e da baixa renda.

Além disso, as políticas de apoio ao setor devem ter como foco a proteção do meio ambiente e a maximização dos benefícios obtidos pelas comunidades de acolhimento e a minimização dos impactos negativos que a atividade possa causar, acrescenta a análise.

E, dada a presença significativa da mulher no setor, os quadros jurídicos para o desenvolvimento da atividade devem ter uma perspectiva de gênero e incluir mecanismos de prevenção da discriminação e promoção da equidade de gênero.

Outros destaques são a necessidade de digitalização e expansão de capacidades; transformação produtiva e criação de empregos verdes; e diálogo social e fortalecimento da coordenação e articulação no setor de turismo.

Esta semana, a recuperação do sector do turismo é objeto de análise por uma reunião tripartite de representantes de governos e organizações de empregadores e trabalhadores, que tem como objetivo a troca de experiências e iniciativas que visem apoiar a recuperação.

O turismo foi objeto de consideração especial na resolução aprovada este mês por delegados de todo o mundo na Conferência Internacional do Trabalho sobre um Chamado Global à Ação para uma recuperação centrada nas pessoas após a crise da COVID-19.

O chamado da OIT levanta a necessidade de “facilitar uma recuperação rápida que impulsione a sustentabilidade do setor de viagens e turismo, levando em consideração sua natureza de mão de obra intensiva e seu papel fundamental em países altamente dependentes do turismo, incluindo pequenos Estados insulares em desenvolvimento”.