COVID-19: Proteger as pessoas mais vulneráveis

Cozinha&Voz recebe oficial do UNAIDS para debate sobre experiências na luta contra o HIV e o combate ao COVID-19

Palestra virtual sobre os impactos da pandemia na saúde reuniu alunas e alunos de projeto que promove a empregabilidade de pessoas em situação de vulnerabilidade socioeconômica.

Notícias | 23 de Abril de 2020
Palestra virtual da assessora de Apoio Comunitário do UNAIDS sobre "COVID-19 e saúde
Brasília - “As pessoas mais afetadas pela COVID-19, assim como as pessoas mais afetadas pelo HIV, são exatamente aquelas que estão em situação de vulnerabilidade social”. O alerta é de Ariadne Ribeiro, assessora de Apoio Comunitário do UNAIDS e uma mulher trans. Ela foi a convidada para uma palestra virtual sobre “COVID-19 e a saúde”, para a turma do Cozinha&Voz, nesta quarta-feira (22)

O projeto Cozinha&Voz faz parte de uma ampla iniciativa de promoção do trabalho decente para pessoas em situação de vulnerabilidade, desenvolvida pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), com apoio da cozinheira Paola Carosella e da Casa Poema. O projeto capacita profissionais como assistente de cozinha e promove a empregabilidade de pessoas em situação de exclusão socioeconômica.

“A aula com Ariadne, representando o UNAIDS, significa a expansão que nós sempre quisemos para o projeto Cozinha&Voz, para que possa incluir temas relacionados à saúde e ao bem-estar do ser humano como um todo, compreendendo que é impossível ter trabalho decente, em condições de liberdade, igualdade, equidade e segurança, sem ter a saúde preservada e o conhecimento para isso”, disse Thaís Faria, Oficial Técnica de Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho da OIT.

“Uma parceria com o UNAIDS, que é do sistema da ONU, para nós é extremante importante fazer essa ampliação e levar conhecimento para as alunas e os alunos”, disse ela.

O UNAIDS é uma parceria inovadora que encoraja, mobiliza e apoia países para alcançar o acesso universal a prevenção, tratamento e cuidados no que concerne ao HIV. Estabelecido em 1994, por meio de uma resolução do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas (ECOSOC), iniciou suas atividades em janeiro de 1996.

A aula virtual reuniu alunos e alunas de São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e Rondônia. O Cozinha&Voz a distância começou esta semana e terá duração de quatro meses beneficiando 50 homens e mulheres trans. O projeto, no formato online, visa garantir a capacitação contínua e treinamentos essenciais, mesmo durante a pandemia.

A COVID-19 é uma doença grave e todas as pessoas que vivem com HIV devem tomar significativas medidas de prevenção para diminuir o risco de exposição e de infecção pelo coronavírus. Pessoas idosas com HIV e pessoas com HIV com problemas cardíacos ou pulmonares podem estar em maior risco de serem infectadas pelo vírus e de apresentarem sintomas mais graves.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, no fim de 2019, havia cerca de 900 mil brasileiras(os) com o vírus HIV, de acordo com números apresentados por Ariadne. Dados recentes da pandemia no Brasil mostram que mais 46 mil pessoas estão infectadas pelo vírus e as mortes ultrapassam 3.300.  

“Nesse momento da COVID-19, é importante falar que as pessoas com uma doença pré-existente, que não estão tomando a medicação retroviral, e que podem estar com uma imunidade mais baixa precisam evitar, ao máximo, sair de casa” disse Ariadne.

Durante a aula virtual, os alunos e alunas esclareceram dúvidas sobre AIDS, sífilis, HPV, herpes genital e outras infecções sexualmente transmissíveis, desde sintomas até vacinas e tratamentos para cada uma das doenças.

“Dentre a população trans pairam sempre muitas dúvidas sobre saúde e, principalmente, sobre doenças infectocontagiosas.  Além de Ariadne tirar muitas dessas dúvidas, a sua própria presença fez com os alunos e as alunas trans se sentissem pertencentes em seus lugares de fala. Foram ouvidas e abraçadas por uma mulher trans.", disse a coordenadora-geral do Cozinha&Voz, a atriz e diretora Geovana Pires.

"A presença de Ariadne também as encoraja, elas se veem ali e sabem que podem ter também a oportunidade de ocupar um lugar de destaque na sociedade que sempre fecha as portas para eles e elas. ”, acrescentou.