Temas

  1. Trabalho Decente

    O trabalho decente resume as aspirações das pessoas em suas vidas profissionais. O conceito engloba oportunidades de trabalho produtivo com remuneração justa, segurança no local de trabalho e proteção social para as famílias, melhores perspectivas de desenvolvimento pessoal e integração social, liberdade para as pessoas expressarem suas preocupações, se organizarem e participarem das decisões que afetam sua vidas, além de igualdade de oportunidades e de tratamento para todas as mulheres e homens.

  2. Trabalho infantil

    Criado em 1992, o Programa Internacional para a Eliminação do Trabalho Infantil (IPEC, na sigla em inglês) é o maior programa dedicado ao trabalho infantil no mundo, além de ser o maior programa de cooperação técnica no âmbito da OIT. Ele já está operacional em cerca de 90 países, incluindo o Brasil, e beneficia milhões de crianças em todo o mundo.

  3. Trabalho escravo e forçado

    O trabalho forçado pode assumir diferentes formas, incluindo a servidão por dívidas, o tráfico e outras formas de escravidão moderna. As vítimas são os mais vulneráveis - mulheres e meninas forçadas a se prostituirem, migrantes presos na servidão por dívida e trabalhadores de fazendas ou oficinas de costura obrigados a trabalhar através de táticas claramente ilegais e recebendo pouco ou nada por isso.

  4. Emprego juvenil

    O mundo está enfrentando uma crise no emprego juvenil: os jovens têm três vezes mais probabilidade de estarem desempregados do que os adultos e quase 73 milhões de jovens em todo o mundo estão à procura de trabalho. A OIT já fez um alerta sobre essa geração de jovens trabalhadores que será marcada por uma perigosa combinação de desemprego alto, aumento da inatividade e trabalho precário nos países desenvolvidos, assim como a persistência da pobreza entre trabalhadores de países em desenvolvimento

  5. Gênero e Raça

    A desigualdade social é um componente marcante da realidade brasileira e um aspecto fundamental a ser enfrentado visando a superação da pobreza. As discriminações de gênero e raça são eixos estruturantes dos padrões de desigualdade social no Brasil e fazem com que mulheres e negros enfrentem barreiras adicionais para a superação da pobreza e para o acesso ao trabalho decente.