COVID-19: Proteger as pessoas mais vulneráveis

Cozinha&Voz Web aborda relações de trabalho e a população LGBTIQ+

O projeto recebeu na sala de aula virtual integrantes do MPT para falar sobre a relação de trabalho dentro da realidade dos alunos e alunas.

Notícias | 13 de Novembro de 2020
Brasília - As Relações de Trabalho para a população LGBTIQ+ foi o tema central da aula da dessa quarta-feira (11) do Cozinha&Voz Web, projeto da Organização Internacional do Trabalho(OIT) e do Ministério Público do Trabalho (MPT), com apoio da Casa Poema, da chefe de cozinha Paola Carosella e do UNAIDS. A aula da terceira turma do Cozinha&Voz Web foi aberta pela subprocuradora-geral do MPT, Sandra Lia Simon, que relembrou um pouco da história do Brasil e falou qual o papel do MPT no combate ao trabalho escravo moderno, ao trabalho infantil, ao tráfico de pessoas, na inclusão de pessoas que historicamente sofrem preconceito, entre outros.

Lia Simon também falou sobre o papel de cada um(a) na busca pelo trabalho decente. “A gente tem de saber qual o nosso papel e saber que os nossos direitos a gente não pede, mas exige, com luta, resistência e vontade. E a gente nunca pode perder a esperança e a alegria, porque os opressores odeiam gente feliz.”

Ela também falou sobre o papel de cada um na busca pelo trabalho decente. “A gente tem de saber qual o nosso papel e saber que os nossos direitos a gente não pede, mas exige, com luta, resistência e vontade. E a gente nunca pode perder a esperança e a alegria, porque os opressores odeiam gente feliz.”

A procuradora e gerente do Projeto de Empregabilidade da População LGBTIQ+ do MPT, Sofia Vilela, a segunda palestrante do dia, falou sobre ações, na prática, do Ministério Público do Trabalho, como receber denúncias, orientar os trabalhadores sobre quais são seus direitos e os projetos de promoção do trabalho decente, como o Cozinha&Voz.

Sofia Vilela também fez um alerta: “Todos(as) têm de ser tratados(as) de forma igual e a legislação brasileira garante isso e garante ainda a proteção de qualquer um, independentemente de cor ou orientação sexual.” A procuradora também citou os canais do MPT onde as pessoas podem denunciar,no site da instituição ou por meio do aplicativo MPT Pardal, criado para ajudar o trabalhador a garantir seus direitos e que pode ser baixado gratuitamente nas lojas de aplicativos.

Esse tipo de encontro é de grande importância para todes os alunes, garante a coordenadora-geral do projeto, Geovana Pires. “A contribuição das nossas parceiras do MPT, Sandra Lia Simon e Sofia Vilela, para o Cozinha&Voz nos ajuda a costurar a narrativa do que queremos com o projeto.”

A terceira turma do projeto Cozinha&Voz Web começou na primeira semana de novembro e reúne 70 alunos e alunas de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Rondônia e do Rio Grande do Sul. Nesta edição, uma novidade: 10 ex-alunos trabalharão como monitores do curso. O objetivo é promover uma ampla iniciativa na busca do trabalho decente para pessoas em situação de vulnerabilidade.

Novo formato bem sucedido

Criado na forma presencial em 2017, o Cozinha&Voz promove a capacitação profissional por meio de um curso de assistente de cozinha e da poesia, visando aumentar a empregabilidade de pessoas em situação de exclusão e vulnerabilidade socioeconômica.

O Cozinha&Voz está estruturado em dois pilares, que dão nome ao projeto. O componente "Cozinha" conta com a coordenação técnica da cozinheira Paola Carosella e com o apoio de Neide Rigo e Fernanda Cunha e promove a formação profissional de assistentes de cozinha.

Coordenado pela atriz e poeta Elisa Lucinda e pela atriz e diretora Geovana Pires, sócias da Casa Poema, o componente "Voz" promove oficinas técnicas, nas quais, por meio da poesia, alunos e alunas desenvolvem e aperfeiçoam a inteligência emocional e a comunicação interpessoal, para aprender a se comunicar em qualquer contexto profissional, de uma entrevista de emprego a uma apresentação em público.

A primeira turma do Cozinha&Voz Web foi lançada em abril passado, com 50 homens e mulheres transexuais. A segunda turma começou em julho, com mais 50 pessoas. Os alunos e alunas das duas turmas eram de Rondônia, São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Goiás e do Espírito Santo.