Secretário-geral da ONU e diretor-geral da OIT apresentam a Iniciativa Ação Climática para o Emprego

Lançada na COP25 em Madri, a Iniciativa Ação Climática para o Emprego tem como objetivo apoiar os países na implementação de seus compromissos nacionais de ação climática, garantindo ao mesmo tempo que empregos, bem-estar e uma transição justa permaneçam no centro das respostas à mudança climática.

Notícias | 10 de Dezembro de 2019
O diretor-geral da OIT, Guy Ryder, faz as considerações iniciais em um painel sobre Clima para Empregos na COP25 em Madri. © UNFCC
GENEBRA (Notícias da OIT) - O secretário-geral da ONU, António Guterres, e o diretor-geral da OIT, Guy Ryder, lançaram a Iniciativa Ação Climática para o Emprego (em inglês), durante a conferência sobre mudanças climáticas COP25, realizada em Madri, ao lado dos ministros do meio ambiente da Espanha e da Alemanha.

A Iniciativa fornece um roteiro para impulsionar a ação climática, garantindo ao mesmo tempo que empregos e bem-estar humano estejam no centro da transição para uma economia neutra em carbono e resiliente ao clima.

Falando no lançamento, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que milhões de trabalhadores e trabalhadoras estão na linha de frente da luta contra as mudanças climáticas. "A resposta para a crise climática está na transformação de como geramos nossa energia, projetamos nossas cidades e administramos nossas terras", disse ele. “Precisamos garantir que a transição para um futuro de baixo carbono seja justa e inclusiva. Isso significa um futuro de empregos verdes e decentes. ”

"A economia verde é a economia do futuro ... Muitos governos e empresas já se beneficiam dela e começam a redefinir o conceito de valor em um novo modelo econômico mais verde", acrescentou.

O diretor-geral da OIT, Guy Ryder, disse aos delegados que alcançar um mundo do trabalho mais ecológico é "o desafio determinante e decisivo de nosso tempo" e que "a luta contra as mudanças climáticas está inextricavelmente ligada à batalha por uma maior justiça social".

Ele defendeu uma “agenda política para a ação climática centrada no emprego e no ser humano, com base em avaliações em escala nacional, em programas de proteção social inovadores e em um forte consenso”, acrescentando que “a Iniciativa Ação Climática para o Emprego pode dar uma grande contribuição a esse trabalhos".

Presentes ao evento de lançamento, Sharan Burrow, secretária-geral da Confederação Sindical Internacional (CSI) e Roberto Suarez, secretário-geral da Organização Internacional de Empregadores, reafirmaram o engajamento de organizações de trabalhadores e de empregadores para promover uma ação climática eficaz que fomente o trabalho decente e uma transição justa para todas e todos.

A Iniciativa Ação Climática para o Emprego se concentrará em três áreas mutuamente relacionadas e complementares, a saber: o trabalho de promoção e divulgação; a criação de um centro de inovação política que combine conhecimento e promova soluções inovadoras; e o aumento a capacidade de governos e organizações de trabalhadores e de empregadores, assim como apoio a eles.

A Iniciativa reúne governos, sindicatos, organizações de empregadores e organismos internacionais.

A OIT também apresentou, no âmbito da COP25, o novo relatório intitulado em inglês "Skills for a Greener Future(Competências para um futuro mais ecológico). O relatório baseia-se em 32 estudos nacionais e analisa suas estratégias de habilidades, bem como algumas das questões que surgiram à medida que avançamos em direção a políticas mais ecológicas.O estudo avalia o progresso alcançado desde 2011, as lacunas e escassez de habilidades, a quantidade de requalificação e aprimoramento e mudanças ocupacionais necessárias e as necessidades de grupos vulneráveis e desfavorecidos.